Qual a relação entre a vitamina D e diabetes? Entenda mais!

4 minutos para ler

As vitaminas são substâncias essenciais para o organismo, pois participam da mediação de uma série de processos metabólicos. Então, a falta de alguma delas pode gerar consequências graves.

A deficiência de vitamina D, por exemplo, é comum na população, sobretudo em quem apresenta doença renal crônica. Mas ela também está associada a outras patologias, como câncer, doenças autoimunes, neurológicas, entre outras.

As doenças crônicas não ficam de fora e, por esse motivo, é importante entender a relação entre vitamina D e diabetes. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Conheça a vitamina D

A vitamina D é muito conhecida por sua associação com o sol, pois sua produção é estimulada após exposição solar. É possível, ainda, obtê-la por meio da alimentação ou suplementação, embora a principal fonte seja a síntese cutânea.

Caso você queira caprichar nos hábitos alimentares para obter vitamina D, aposte em alimentos como:

  • peixes (atum, sardinha, bacalhau, salmão);
  • gema de ovo;
  • queijos;
  • cogumelos.

Mas, afinal, por que ela é tão importante para o organismo? A vitamina D protege as paredes dos vasos sanguíneos, apresenta atividade anti-inflamatória, realiza manutenção do tecido ósseo e, ainda, está associada com a secreção hormonal.

Na deficiência da vitamina em questão, o organismo entra em um estado de hipocalcemia, ou seja, os níveis de cálcio diminuem. Os sintomas disso incluem formigamento e câimbras, além de o indivíduo estar mais propenso a fraturas ósseas.

Por fim, destacamos que os baixos índices de vitaminas aumentam o risco de desenvolver doenças crônicas, como diabetes.

Saiba a associação com glicose

Lembra da associação da vitamina D com a secreção de hormônios? Nesse caso, temos como exemplo a insulina, substância essencial para o metabolismo da glicose.

Após a alimentação, os níveis de açúcar no sangue sobem consideravelmente, de modo que as células precisam captá-lo para produzir energia. É justamente a insulina que permite tal captação. Sem ela, o açúcar no sangue permanece elevado, gerando o quadro de hiperglicemia.

A vitamina D aumenta a sensibilidade para produção e liberação de insulina. Assim, logo ao detectar o açúcar no sangue, há maior síntese e secreção do hormônio. Caso haja deficiência de vitamina D, todo esse metabolismo é prejudicado e há maior risco do estado de hiperglicemia.

Entenda a relação entre vitamina D e diabetes

Que a vitamina D aumenta a sensibilidade à insulina você já sabe. Por outro lado, o que observamos no diabetes é a resistência à insulina, associada com a não produção ou síntese insuficiente de insulina.

Então, a deficiência da vitamina D contribui para:

  • intolerância à glicose;
  • secreção de insulina prejudicada.

Ambos os fatores aumentam o risco de desenvolver diabetes mellitus. A deficiência de vitamina D aumenta do risco de diabetes tipo 1 em crianças, quando não há produção de insulina por destruição das células do pâncreas.

Além disso, quanto menor o nível da vitamina, maior a predisposição para desenvolver diabetes tipo 2, que retrata maior resistência à insulina, também por influência de fatores como obesidade e sedentarismo.

Concluímos, enfim, que a associação entre vitamina D e diabetes é evidenciada pelos baixos níveis da substância resultando em hiperglicemia. Geralmente, a alimentação e a síntese cutânea conseguem suprir as necessidades nutricionais de vitamina D, mas, dependendo do caso, a suplementação pode ser considerada. Vale ressaltar que diabetes é uma condição multifatorial, então, não é possível justificar o desenvolvimento da condição exclusivamente por causa da deficiência de vitamina.

A WinSocial ajuda a planejar o seu seguro. Você pode fazer uma simulação gratuita em nosso site para começar a se proteger hoje.

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe-o em suas redes sociais agora mesmo e ajude mais pessoas a entenderem essa relação!

Comentários

Você também pode gostar
-