Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Quem tem diabetes pode comer cuscuz? Venha descobrir!

Quem tem diabetes pode comer cuscuz? Venha descobrir!

Quem tem diabetes pode comer cuscuz? Venha descobrir!
7 minutos para ler

Nem sempre montar o melhor cardápio é uma tarefa fácil. Porém, ter uma dieta balanceada é essencial para a saúde, sobretudo em pessoas com diabetes. Sendo assim, fica uma dúvida: será que quem tem diabetes pode comer cuscuz?

Bem, só para relembrar, a diabetes é uma condição causada pela não produção de insulina ou resistência a esse hormônio. Isso dificulta a captação de glicose no sangue e mantém um estado de hiperglicemia, caso não seja tratada corretamente.

Por isso, é importante que a pessoas com diabetes tenha atenção aos alimentos que ingere. Se forem ricos em carboidratos simples, com alto índice glicêmico, é pior. Mas, calma, vamos explicar melhor ao longo do texto!

Entenda o que é o cuscuz

Voltando ao cuscuz, como será que ele se comporta no organismo de uma pessoa que tem diabetes? É uma boa ou má escolha? Antes de tudo, uma curiosidade: ao contrário do que muitos pensam, a origem dele não é o nordeste brasileiro.

Na verdade, o alimento tem origem no Oriente Médio. Quem fez ele rodar o mundo e chegar ao Brasil foram os colonizadores. Desde então, a receita passou por algumas variações e, ainda hoje, é possível encontrar diferentes formas de preparo.

No início, eram utilizados trigo ou sêmola como base. Você pode perceber que são ingredientes simples e baratos e, por isso, ele se popularizou entre a população mais vulnerabilizada da época. Pobres, escravos e bandeirantes, por exemplo, tinham o hábito de comer cuscuz com carne seca.

Hoje em dia, ganhou a cena das mais diversas populações e regiões — claro, ainda é uma comida típica do nordeste brasileiro. Além disso, utiliza farinha de milho, fubá ou flocos de milho como base para misturar com água e sal.

Saiba se quem tem diabetes pode comer cuscuz

Agora que você sabe qual a origem e o que compõe o prato, vamos acabar com o mistério: sim, quem tem diabetes pode comer cuscuz! Na verdade, a pessoa com diabetes pode comer de tudo, porém com muita sabedoria em relação à quantidade. 

Complementando, embora não haja nenhuma proibição na dieta, a pessoa precisa ter cuidado com o índice glicêmico para a escolha do cardápio.

Cuscuz e carboidratos

Antes de tudo, precisamos desmistificar a presença de carboidratos na dieta. Eles representam a principal fonte de energia para o corpo. Logo, devem ser incluídos no menu sem dor na consciência.

No entanto, os carboidratos simples são as chamadas calorias “vazias”. Logo são quebrados, sobem muito rápido a glicemia e pouco contribuem para a saciedade.

Por outro lado, os carboidratos complexos atuam justamente de modo oposto. Em suma, o organismo demora a quebrar, mantêm a saciedade por mais tempo e não realizam picos glicêmicos.

No caso do cuscuz, cuja composição principal é o milho, estamos lidando com um excelente carboidrato complexo.

Cuscuz e índice glicêmico

Que o cuscuz tem carboidrato você já sabe, mas como será o índice glicêmico? Lembre-se de que esse conceito é a capacidade de um alimento aumentar a glicemia. Então, um alto índice glicêmico requer o dobro de atenção para uma pessoa com diabetes.

Agora, colocando em valores, temos a seguinte classificação de índice glicêmico:

  • abaixo de 55: baixo;
  • entre 56 e 69: moderado;
  • acima de 70: alto.

O cuscuz, por sua vez, apresenta 65 de índice glicêmico. Vale lembrar que são valores estimados e, caso acrescente algum outro ingrediente, isso tende a se modificar.

Uma última informação importante é sobre a composição: tem ou não tem glúten? Bem, isso ainda é contraditório. O mais aconselhável é conferir na embalagem se aquela marca específica apresenta ou não.

Veja quais os benefícios do cuscuz

Além de saboroso, o cuscuz tem alguns benefícios para a alimentação. O principal deles é carregar uma série de nutrientes, como veremos a seguir.

Macronutrientes

Dentre os macronutrientes, podemos citar carboidratos, proteínas e lipídios. Aí está a primeira vantagem: o cuscuz é livre de gorduras. Desse modo, vemos que é um ponto relevante no quesito de saúde.

Já em relação às proteínas, além de ser uma boa fonte proteica, ele pode ser combinado com outros alimentos. Exemplo disso são as carnes brancas e os queijos — ao final, você vai conhecer uma receita que ilustra isso melhor!

Por fim, no que diz respeito aos carboidratos, vimos que o índice glicêmico do prato é moderado, ou seja, ele pode ser introduzido com sabedoria no cardápio. Além disso, é muito utilizado nas dietas low carb, seja em pessoas que tem a condição crônica de saúde ou não.

Gostaria de começar um projeto de reeducação alimentar e atividade física? Então aproveite e clique abaixo para acessar esse e-book gratuito:

Micronutrientes

Agora, vamos falar sobre os micronutrientes, mais especificamente vitaminas e fibras. A vitamina A, por exemplo, pode ser encontrada no cuscuz. Ela tem grande relevância para o sistema visual e imunológico, além de atuar como antioxidante.

Além da vitamina A, podemos encontrar algumas do complexo B. A B1, ou tiamina, apresenta vários benefícios, mas o principal deles, aqui, é auxiliar no metabolismo de carboidratos.

Complementando, a vitamina B9, ou ácido fólico, é outro micronutriente que a pessoa com diabetes pode encontrar no cuscuz. Ele tem papel-chave no primeiro trimestre de gestação, durante a formação do tubo neural. Além disso, participa da formação da hemoglobina, ou glóbulos vermelhos. 

Por último, o cuscuz tem considerável quantidade de fibras. Isso é muito importante para manter a saciedade por mais tempo.

Descubra como preparar o alimento

Por último, não poderíamos deixar de mostrar como preparar a iguaria! Existem diversas receitas disponíveis e para todos os gostos! Hoje, vai ser uma bem simples, nutritiva e saudável para quem tem diabetes.

Primeiro, separe duas colheres de sopa bem rasinhas, com chia, farelo de aveia e linhaça. Agora, o mais importante: 3 colheres de sopa de massa de milho. Misture tudo isso e coloque algumas pitadinhas de sal e orégano a gosto.

Pronto, chegou a hora de colocar água para umedecer. Em seguida, basta transferir a mistura para a cuscuzeira e colocar queijo minas frescal ralado. Então, complete com o restante da mistura e ferva até sentir o aroma subindo!

Mas chega de conversa, bora comer cuscuz? Você já sabe que é um alimento nutritivo, sem elevado índice glicêmico e que pode ser completado com outros ingredientes, sem deixar de ser saudável. Por isso, é uma excelente opção para pessoas com diabetes, que precisam ficar de olho na alimentação a fim de não fazer um mau controle da glicemia. No mais, corra para a cozinha e experimente agora mesmo!

Gostou da nossa dica? Compartilhe este texto em suas redes sociais e contribua para o cardápio de mais pessoas com diabetes. E para receber mais conteúdos ricos como este, assine a nossa newsletter que vai aparecer na sua telinha.

Comentários

Você também pode gostar
-