Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Confira o guia completo sobre hipertensão!

Confira o guia completo sobre hipertensão!

Confira o guia completo sobre hipertensão!
12 minutos para ler

Hipertensão é o tipo de condição que apesar de conhecida, pode ter o diagnóstico tardio. Por ser uma doença silenciosa, em muitos casos, sua descoberta vem acompanhada de um pico de pressão e algum perigo para o paciente. Outro fator delicado é quando há o tratamento descompromissado. A médio e longo prazo, a situação pode trazer agravantes, principalmente se for acompanhada do surgimento de outros fatores crônicos.

O fato de não ter sintomas na maioria dos casos, dificulta o diagnóstico. Ao contrário do estereótipo disseminado, o perfil de pessoas com hipertensão pode ser de jovens e crianças, além de adultos. A notícia boa é que há muitas possibilidades simples de tratamento, apesar de a condição ser crônica e ainda não ter cura. É primordial o cuidado, pois a pressão alta pode ameaçar o bom funcionamento de outros órgãos.

Segundo pesquisa, publicada na revista The Lancet, 1,2 bilhão de adultos apresentavam hipertensão em 2019. Com o financiamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), a pesquisa elencou dados de 1.201 estudos, compreendendo 184 países, incluindo o Brasil. Isso significa 99% da população mundial entre 30 e 79 anos.

Após a leitura deste guia completo, você entenderá, de modo simples e didático, o que é hipertensão, como a condição age no organismo e quais as causas. Além disso, também será possível compreender quais os principais riscos, como descobrir se tem pressão alta e os cuidados necessários. Veja agora!

O que é hipertensão? 

A hipertensão é a condição em que há uma continuidade da pressão arterial acima do limite normal. Se a pressão estiver entre 120/80 mmHg e 140/90 mmHg é importante observar com atenção, fazendo exames regulares e mudando a alimentação. Portanto, a dificuldade de circulação do sangue acarreta necessidade do coração bater com mais força. A longo prazo, muitos problemas podem surgir.

Por conta de uma alimentação desequilibrada e falta de exercício físico, a hipertensão pode atingir muitas pessoas. Logo, não é uma surpresa os altos números de incidência na população, tornando uma das doenças mais comuns no Brasil. Além disso, causas como alterações cardíacas e doenças renais também figuram na explicação da origem da pressão alta.

Pedidos para diminuir o sal na comida, ou evitar comer preparações muito salgadas podem estar relacionados à hipertensão, pois o sódio contido no sal retém altas quantidades de líquido, resultando no aumento do volume de fluidos nos vasos sanguíneos. Assim, há um aumento de pressão, que, quando se torna uma prática diária, acarreta prejuízos profundos para o corpo.

Como isso funciona? 

Basicamente nosso corpo funciona porque há uma força central que permite um líquido circular por todo o nosso corpo. A metáfora de um solo irrigado com água que viabiliza o crescimento de plantas parece ser adequada para o entendimento. A máquina responsável pela distribuição de líquido, que permanece em movimento desde o nosso nascimento até algumas horas após a nossa morte, é o coração.

Como você deve imaginar, o líquido aqui falado é o sangue. Então, para um entendimento rápido, o coração bombeia o sangue que leva vida (oxigênio e nutrientes) para todas as nossas partes do corpo. As estradas que levam o sangue são as veias (vasos finos que circulam baixa pressão e levam do sangue dos tecidos para o coração) e as artérias (vasos grossos que transportam o sangue do coração para os tecidos).

A contração, chamada de sístole, dos músculos do coração, faz pressão sobre os vasos sanguíneos, o que resulta em tensão contra as suas paredes. Após isso, o coração relaxa e é preenchido com sangue (diástole). As medidas, ao auferir a pressão arterial, sempre são duas, pois se referem justamente a esses movimentos de sístole e diástole. O limite normal é de 120 por 80 mmHg.

Se as paredes das artérias perdem a elasticidade, seja por conta do estreitamento do diâmetro dos vasos em função de placas de gordura, seja por outras razões, a pressão arterial vai aumentar. Dessa forma, à medida que ocorre continuamente o aumento da pressão, há um risco do sangue não conseguir irrigar de modo eficaz todos os tecidos. Funciona como um rio que foi obstruído por um desabamento e teve sua vazão reduzida.

Quais são as principais causas? 

Pode-se dividir em duas áreas (primária e secundária) as causas da hipertensão. Elas explicam fatores diretos e indiretos de como a condição pode ser adquirida pelo indivíduo. Portanto, é importante ficar atento para entender se há maior ou menor probabilidade de manifestar o quadro. Além disso, manter uma conversa com amigos e familiares sobre prevenção pode ser uma boa atitude para conscientizar sobre hipertensão e outras condições.

Hipertensão primária

Nessa condição, do tipo mais comum, o surgimento não está relacionado a algum problema de saúde ou uso de medicamentos. A causa é mais complicada para identificação. Normalmente, tem uma relação próxima com aspectos genéticos, herança de família com maior chances de apresentar a hipertensão.

Outro aspecto importante, e que falamos anteriormente, é a má alimentação associada também a falta de atividade física. Ou seja, uma dieta rica em sódio (alimentos industrializados, frituras, alta ingestão de sal e açúcar), acompanhada de falta de atividade física pode resultar em pressão alta. Outro fator é o avanço da idade, que diminui a elasticidade dos vasos sanguíneos, recorrente em idosos.

Hipertensão secundária

Esse tipo de pressão alta é menos comum, porém consegue ter suas causas mais facilmente identificadas. Condições hormonais, dos rins, alterações da tireoide, problemas cardíacos, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e uso de alguns medicamentos são exemplos de causas secundárias para a hipertensão.

Quais são os riscos da hipertensão? 

O maior risco da hipertensão se dá durante o tempo em que não há o diagnóstico e tratamento. Assim, após vários anos com a pressão constantemente alta, poderá haver o surgimento de pequenas lesões nos vasos sanguíneos e órgãos por toda a extensão corporal.

As consequências são doenças cardíacas, como angina de peito, insuficiência cardíaca e arritmia. Outro quadro provável são aneurismas da aorta (maior artéria do nosso corpo), e infarto. Também podem acontecer alterações cerebrais, por conta do aumento da pressão arterial, os vasos do cérebro têm mais chances de serem lesionados, acarretando problemas de aprendizado, memória e dificuldade de fala.

Além disso, o risco de AVC isquêmico é alto. Adicionalmente, problemas renais são propícios de aparecimento, sendo a insuficiência renal um cenário possível. Sobre esse último, pode ser especialmente complicado em casos de nefropatia diabética.

Mulheres grávidas precisam ter um acompanhamento muito detalhado para evitarem o surgimento de pressão alta (pré-eclâmpsia). A condição tem risco de parto prematuro e, caso não haja controle adequado, pode desenvolver para eclâmpsia. Nesse quadro, a mulher tem convulsões e corre sério risco de sua vida e do bebê.

Quais os principais tipos de hipertensão? 

A classificação será acordo com a medida da pressão arterial. Para pressão acima de 140/90 e abaixo de 160 /100, é chamado de estágio I. O segundo estágio acontece acima de 160/110. Enquanto o estágio 3 é marcado pela pressão acima de 180/110. Por isso, é importante verificar a pressão com alguma regularidade.

Como descobrir se tem hipertensão? 

Há alguns exames que podem identificar a hipertensão. Além disso, sintomas como tonturas, dores de cabeça fortes e contínuas, bochechas rosadas, cansaço e sonolência, caso apareçam, são avisos importantes para o diagnóstico. Consulte um médico especialista e faça uma série de exames que podem ser esfigmomanômetro, teste ergométrico e MAPA.

Esfigmomanômetro

Esse exame é o clássico para saber se, naquele momento, a pressão está alta. Indicado para quando há o aparecimento dos sintomas anteriormente mencionados. Dessa maneira, um aparelho que faz pressão no seu braço é usado para a mensuração da pressão arterial. Atualmente, há uma variedade de equipamentos eletrônicos disponíveis para serem utilizados em casa, que não requerem nenhuma técnica especial.

Teste ergométrico

Durante uma atividade física, é natural o aumento da pressão arterial. Então, por exemplo, ao correr, a pressão poderá chegar a certos picos. O teste ergométrico verifica o quanto a pressão subirá durante uma corrida na esteira. Em pessoas que não têm o diagnóstico, o aumento da pressão, durante o exercício físico, pode acontecer até determinado limite. Por isso, esse exame é ótimo para avaliar essas diferenças.

MAPA

Durante 24 horas, acompanhado de um aparelho, sua pressão arterial será medida. A Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA) acontece a cada 20 minutos durante o dia. À noite, o tempo aumenta para 30 minutos. Um relatório com os dados coletados pelo equipamento dará o suporte necessário para indicar ao cardiologista se o paciente apresenta a condição ou não.

Proteína C reativa

A proteína C-reativa pode ser identificada no sangue como resultado de uma inflamação no corpo, contribuindo para a pressão alta. Isso causa alteração nas células que formam as paredes dos vasos sanguíneos. Logo, um exame de sangue é capaz de analisar se há uma quantidade anormal da proteína no organismo, servindo de alerta para entender a origem da inflamação.

Dosagem de lipoproteína (a)

Fator de risco importante quando encontrada em níveis acima de 30mg/dl, a lipoproteína (a) pode causar o entupimento das artérias, aumentando a pressão sanguínea. Por isso, o exame é feito a partir da coleta de sangue, de modo simples.

Quais são os cuidados necessários?

Levar uma vida saudável, alimentando-se adequadamente e exercitando o corpo, são os cuidados básicos e mais importantes. Imagine que, de modo similar ao câncer de mama, por exemplo, a prevenção pode reverter cenários delicados. Por isso, é importante fazer exames regulares, diminuir o sal e tomar a medicação, caso seja necessário.

Pequenas atitudes podem auxiliar profundamente no alcance de uma vida saudável. Entenda que, para começar a criar hábitos de autocuidado, é necessário organização. Dessa forma, você poderá encaixar na sua rotina sem precisar quebrar a cabeça todos os dias. Então, analise e escreva os motivos que levam você a dar esse passo. Após isso, elenque os ganhos futuros. Esse tipo de estratégia facilita a continuidade de energia para adquirir a prática.

Como lidar psicologicamente com a hipertensão?

Sabemos que receber a notícia de um diagnóstico crônico não é algo simples. Afinal, a condição não desaparecerá, mas apenas você encontrará formas de lidar da melhor maneira com ela. Por isso, buscar auxílio de um psicólogo pode facilitar a aceitação do cenário, para, dessa forma, entender que não há nenhuma vergonha em necessitar de remédios ou seguir uma disciplina com a comida e os hábitos saudáveis.

Desse modo, hipertensão também está associada com fatores emocionais, como altas cargas de estresse. O corpo pode sofrer com aquilo que não conseguimos lidar. Sentimentos difíceis muitas vezes são somatizados na pele, em um câncer de próstata, ou em qualquer desequilíbrio do organismo. Isto posto, buscar ao autoconhecimento por meio de um processo psicoterapêutico contribui para uma vida mais saudável.

Como ajudar pessoas próximas com hipertensão?

É perfeitamente possível levar uma vida tranquila após um diagnóstico de hipertensão. Dessa maneira, estar aberto para a escuta e o diálogo, caso o assunto apareça, é uma forma de ajudar pessoas que têm a condição. Inclusive, é possível ganhar descontos e facilidades em muitas áreas. O seguro de vida para pessoas com diabetes, hipertensão, HIV ou condições crônicas é plenamente possível.

Buscar grupos de apoio na internet, vídeos no YouTube de pessoas que contam como lidam com a condição, ler livros sobre o tema, enfim, há várias maneiras de ajudar pessoas próximas com hipertensão. Entre essas, naturalizar a condição também é uma forma eficaz. Ou seja, não ficar o tempo todo evidenciando o assunto, e deixar a pessoa à vontade para falar ou não falar sobre o tema.

Hipertensão é uma condição que atinge muitos brasileiros e pode ter origens genéticas ou não. Neste guia, você descobriu que o coração bombeia sangue para todo o corpo e quando há um desequilíbrio nesse processo, podem surgir problemas como a pressão alta. Dessa maneira, levar uma vida saudável, buscando diminuir o sal e açúcar nos alimentos e exercitando-se regularmente são atitudes responsáveis no tratamento da condição.

Agora que você ampliou seus conhecimentos sobre a hipertensão, caso tenha alguma dúvida ou queira destacar algo importante da sua história com a condição, deixe agora seu comentário. É simples e rápido.

Comentários

Você também pode gostar
-