Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Conheça os principais golpes financeiros e como se proteger deles

Conheça os principais golpes financeiros e como se proteger deles

6 minutos para ler

Os golpes financeiros crescem a cada ano no Brasil. Somente em fevereiro de 2022, foram quase 1 milhão de tentativas desse crime no país, quase o dobro do registrado um ano antes, de acordo com a empresa de segurança cibernética PSafe.

Os criminosos, atualmente, utilizam a tecnologia para obter dinheiro das vítimas. Entre as estratégias usadas, por exemplo, estão links maliciosos, sites falsos e anúncios enviados por WhatsApp, e-mail e redes sociais.

Para se proteger desses golpes, os consumidores devem estar atentos e tomar cuidados constantes. A seguir, explicamos como os golpistas agem e que medidas devem ser tomadas como prevenção ou redução de danos.

Tecnologia e golpes financeiros

O desenvolvimento e o avanço constante da tecnologia certamente têm suas vantagens, mas também impõe riscos consideráveis aos consumidores. As novas ferramentas de pagamento e transferências online, por exemplo, facilitaram bastantes as compras e negócios em geral, mas também elevaram a incidência de golpes financeiros.

Além da praticidade das novas tecnologias financeiras e de falhas de segurança nos softwares das instituições (cada vez mais raros), os criminosos também se aproveitam do desconhecimento de muitos consumidores acerca do funcionamento dos principais tipos de golpes.

Principais golpes atualmente

Os golpes que listamos a seguir respondem pela maioria dos crimes financeiros praticados no país. Apesar de apresentarem algumas variações, todos se baseiam em dois objetivos principais: conseguir os dados bancários das vítimas ou induzi-las a transferir o dinheiro para os criminosos. Desse modo, confira como funciona cada um.

Clonagem de cartão de crédito

A clonagem de cartão de crédito é uma prática já antiga, mas ainda muito comum no Brasil. Em 2018, por exemplo, ela foi o principal golpe financeiro no país, com cerca de 4 milhões de vítimas.

Antigamente, os criminosos realmente “clonavam” os cartões das vítimas, ou seja, eles criavam um novo cartão, com os mesmos dados do original. Para isso, os golpistas copiavam os dados quando a pessoa passava o cartão em alguma maquininha.

Hoje em dia, no entanto, a maioria dos cartões de crédito usa chip, que impede o roubo de dados pelas maquininhas. Para realizar a clonagem atualmente, portanto, os criminosos precisam roubar os dados dos usuários com outras estratégias, como links maliciosos, sites falsos, vírus de computador, dados vazados dos bancos de dados das instituições financeiras, etc.

Phishing

O phishing é outro tipo de golpe financeiro muito praticado no Brasil. Ele consiste em induzir os usuários a clicar em links maliciosos ou entrar em sites falsos, por meio de mensagens chamativas, como:

  • “Sua conta foi bloqueada. Clique neste link para realizar o desbloqueio”
  • “Super promoção de Natal! Confira nossas ofertas imperdíveis”
  • “Empréstimo para negativado sem garantia! Peça hoje mesmo!”

As mensagens chegam até as vítimas por e-mail, WhatsApp, redes sociais, ou até em anúncios na internet.

Em alguns casos, ao se clicar nos links, o aparelho da vítima é imediatamente infectado por um vírus, que rouba as informações confidenciais. Em outros, o phishing encaminha a vítima a um site, onde vai induzir a informar seus dados bancários ou fazer transferências para os criminosos.

Golpe do WhatsApp

O Golpe do WhatsApp está relacionado às práticas citadas acima, mas se aproveita especificamente deste aplicativo de mensagens tão difundido atualmente.

Normalmente, os criminosos enviam uma mensagem para um número aleatório, fazendo-se passar por um banco ou outro tipo de empresa. Eles induzem a vítima a informar seus dados bancários diretamente na conversa no WhatsApp ou a clicar em um link, a partir do qual vão direcioná-la a um site falso.

Golpe do empréstimo

Essa prática costuma fazer vítimas entre aqueles que estão endividados, mas têm dificuldade em conseguir um empréstimo pelas instituições financeiras tradicionais. Os criminosos costumam usar anúncios bastante chamativos e oferecer os empréstimos com condições muito distintas das observadas no mercado em geral.

Os criminosos oferecem, por exemplo, crédito para negativados sem garantia e com juros baixos, algo extremamente difícil de achar por aí. Normalmente, as vítimas são convencidas a pagar um pagamento antecipado, a título de “taxa de serviço”, para liberar a operação. Depois de receberem o dinheiro, no entanto, os criminosos desaparecem.

Em outros casos, a vítima até consegue receber o empréstimo, mas passa a pagar juros exorbitantes, que não haviam sido informados no momento da contratação.

Golpe do PIX

O PIX, ferramenta de pagamento que já caiu nas graças dos brasileiros, pode tanto agilizar os pagamentos e transferências para pessoas e empresas idôneas, como facilitar a vida dos criminosos virtuais.

Normalmente, as vítimas são induzidas a usar o PIX para pagar por um produto ou serviço que nem existe, como ocorre nos outros tipos de golpe que citamos. Mas outra situação bem comum é quando o criminoso se passa por um parente ou conhecido da vítima e pede uma transferência por PIX com urgência.

Como se proteger de golpes financeiros

Separamos a seguir alguns cuidados que os especialistas indicam tomar para se proteger de golpes financeiros:

  • Desconfie de mensagens recebidas por e-mail, WhatsApp, SMS e redes sociais, contendo promoções e oportunidades de negócio ou emprego
  • Caso receba esse tipo de mensagem, não abra ou, se abrir, não clique nos links contidos nelas. Apague a mensagem e bloqueie o número, perfil ou remetente
  • Sempre procure saber se o site em que está realizando uma compra ou transação financeira pertence realmente à empresa em questão. Criminosos costumam criar páginas idênticas a de bancos, e-commerces e outras empresas para roubar dados e dinheiro dos usuários.
  • Verifique a segurança do site: veja se há certificados de segurança no rodapé da página, símbolo de cadeado ao lado do endereço da página e a sigla “https” no início do endereço
  • Caso receba alguma mensagem ou ligação de uma instituição financeira solicitando o fornecimento de senha ou informações pessoais, verifique se se trata realmente do número usado pela empresa
  • Ative a proteção em duas ou mais etapas, utilizando mecanismos de segurança como biometria e reconhecimento por voz
  • Use um cartão de crédito virtual: em caso de golpe ou suspeita de golpe, você poderá facilmente bloquear e criar uma nova versão do cartão virtual
  • Ative notificações de transações financeiras realizadas nas suas contas
  • Instale um bom antivírus, não apenas no seu computador, mas também no seu celular

Se estiver interessado em um empréstimo, pesquise pela reputação da empresa, se ela possui registro legal, o que dizem outros clientes que já contrataram o serviço e todas as condições do mesmo.

Conteúdo produzido pela Redação da Juros Baixos. A Juros Baixos é uma plataforma de bem-estar financeiro que busca trazer tranquilidade para as suas finanças.

Comentários

Você também pode gostar
-