Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Exame de HIV: o que fazer diante do resultado? - Blog WinSocial

Exame de HIV: o que fazer diante do resultado?

Exame de HIV: o que fazer diante do resultado?
6 minutos para ler

Ao fazer o exame de HIV o indivíduo pode receber o resultado como reagente, não reagente ou indeterminado. É natural sentir apreensão diante do que o teste aponta. No entanto, ficar por dentro dele o quanto antes é a melhor maneira de controlar as consequências. 

Inclusive, o diagnóstico precoce da infecção por HIV pode até permitir que o indivíduo freie a transmissão do vírus. Você sabia? Isso ocorre porque o exame de HIV identifica a presença do vírus no organismo, o que é feito de forma simples. 

Percebeu como o exame de HIV é importante para que os indivíduos não tenham a saúde prejudicada? Então, continue a leitura e tire suas principais dúvidas sobre o assunto!

O que é o exame de HIV?

Conforme mencionado, o exame em questão é voltado para identificar a presença do vírus HIV no seu corpo. Assim, o resultado pode ser reagente (positivo), não reagente (negativo) ou indeterminado. 

Nesse último caso, a carga viral no organismo é baixa a ponto do exame de HIV não conseguir detectar. Além disso, existe um menor impacto no comprometimento do corpo, já que a carga existente não é forte o suficiente para isso. 

Como é feito o exame de HIV?

Você já reparou que o exame de HIV é indispensável para detectar uma doença grave. Logo, isso permite que os portadores tenham uma melhor qualidade de vida. Para isso, o teste é feito com a análise de uma amostra de sangue ou da saliva. 

O objetivo da verificação do sangue ou da saliva é observar a existência de anticorpos que o corpo produz para combater o HIV. Os anticorpos são proteínas produzidas pelo sistema imunológico como resposta ao ataque de bactérias, vírus ou outros elementos. 

Cada um deles é atacado e se defende de alvos específicos, como o linfócito T-CD4+, alvo do HIV. Então, a presença desses anticorpos sinaliza para a existência do vírus. Portanto, para confirmar a infecção no exame de HIV e o nível da carga viral, o médico pode encaminhar outros testes. 

Onde realizar o exame de HIV?

Como visto, fazer o exame de HIV é um processo simples atualmente. Isso pode ocorrer em casa ou qualquer outro ambiente confortável, pelo indivíduo, com a utilização do kit de teste caseiro. 

Nesse caso, o paciente faz o autoteste ao coletar fluido oral e sangue. Em seguida, basta seguir as instruções para interpretar o resultado fornecido. De todo modo, ainda é preciso de uma confirmação profissional, a partir de testes complementares, para ter uma resposta definitiva. 

A outra opção para realizar o exame de HIV é a mais tradicional, com o agendamento de exame em laboratório. Isso pode ocorrer por meio do SUS, de laboratórios ou clínicas médicas especializadas. Por outro lado, se optar pela primeira opção, procure um Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) ou o Serviço de Assistência Especializada (SAEs). 

Quando os especialistas indicam fazer o exame de HIV?

Existem comportamentos de risco que porventura o indivíduo pode se expor. Assim, isso deve ligar o alerta para a necessidade de realização do exame de HIV. Isso é válido para:

  • pessoas com vida sexual ativa (mesmo que tenham o mesmo parceiro sexual);
  • acidentes biológicos ocupacionais;
  • pacientes com diagnóstico de tuberculose;
  • paciente com diagnóstico de hepatite viral;
  • gestantes durante o pré-natal;
  • pessoas em situação de violência sexual;
  • abortamento espontâneo;
  • população mais vulnerável, como profissionais do sexo, parceiros de pessoas vivendo com HIV/AIDS, usuários de drogas, população carcerária;
  • etc.

A recomendação é que a testagem ocorra, pelo menos, 30 dias após a exposição a algum dos riscos mencionados. Antes desse período, o vírus pode não ser identificado, devido à janela imunológica. Ela corresponde ao tempo entre o contato com o HIV e a possibilidade de detecção do mesmo. 

Além disso, considere que existe variação no tempo da janela imunológica, conforme o sistema imunológico de cada um. Assim, 30 dias podem ser insuficientes para detectar o vírus. Por isso, é recomendado repetir a testagem após mais 30 dias.

Isso é especialmente indicado para quem apresentar sintomas, como, por exemplo, febre, emagrecimento, diarreia, cansaço excessivo, suores noturnos etc. 

O que fazer diante de cada resultado do exame de HIV?

Como você reparou, existem três resultados possíveis para o exame de HIV. Cada um deles tem significados diferentes e pede comportamentos específicos do indivíduo. Entenda a seguir!

Não reagente

Significa que o exame de HIV deu negativo, e no momento da testagem o seu organismo não possui o vírus. Porém, conforme mencionado, se o paciente tiver comportamento de risco ou sintomas da infecção, é necessário repetir o teste em 30 dias. Afinal, o resultado não reagente não quer dizer, necessariamente, que não houve infecção.

Reagente

Esse resultado mostra que o indivíduo foi exposto ao vírus HIV e se contaminou. De todo modo, os médicos costumam solicitar exames complementares para ter uma resposta definitiva do quadro. Ainda assim, se o resultado se confirmar, é possível controlar o problema e permitir que o paciente viva bem e sem reduzir a expectativa de vida. 

Isso ocorre com auxílio de medicamentos antirretrovirais, que inibe o crescimento do vírus no organismo. Logo, mesmo que ele não seja eliminado, o sistema imunológico é fortalecido, e existem menos riscos para o desenvolvimento de doenças atreladas à AIDS. É o caso de pneumonia ou tuberculose. Esses remédios são disponíveis pelo SUS e podem ser recolhidos com receita médica.

Não determinado

A outra possibilidade do exame de HIV é não determinado. Nesse caso, a análise não conseguiu detectar o problema, o que pode ter ocorrido pela carga viral ser muito baixa. Outras situações que levam a esse resultado é a gravidez ou a vacinação recente. Então, é preciso repetir a testagem.

Conseguiu tirar suas principais dúvidas em torno do exame de HIV? Como visto, é possível que o indivíduo viva bem e por muito tempo, mesmo com a infecção confirmada, diferentemente do que ocorria antigamente. Desse modo, em muitos casos e após seguir o tratamento adequado, o vírus se torna intransmissível para outras pessoas. Para isso, é fundamental descobrir o diagnóstico o quanto antes.

Então, ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Existe algo que queira compartilhar conosco ou com os demais leitores a respeito do tema? Então, sinta-se à vontade. Será um prazer conversar sobre isso! E aproveite para assinar a nossa newsletter para receber conteúdos e ofertas exclusivas da WinSocial

Comentários

Você também pode gostar
-