Entenda o que é e como cuidar de uma hipoglicemia

7 minutos para ler

A hipoglicemia é um quadro que pode ocorrer com qualquer pessoa, mas para quem convive com a diabetes, ela merece ainda mais atenção. É preciso estar preparado e saber como lidar com essa condição.

Os principais cuidados são preventivos, de modo a evitar a ocorrência da baixa concentração de glicose no sangue. No entanto, existem medidas que podem ser tomadas pela própria pessoa nos casos mais leves.

Interessado no assunto? Continue a leitura, entenda como cuidar de uma hipoglicemia e saiba o que a causa.

O que é hipoglicemia?

O trabalho rotineiro das células nos diversos tecidos e órgãos do corpo requer energia. Para suprir essa demanda energética do dia a dia, as células são abastecidas com o principal combustível para esse fim: a glicose.

Assim, após uma refeição normal, os alimentos digeridos, especialmente os carboidratos, geram uma grande quantidade de glicose. Esse açúcar, oriundo da alimentação, em parte vai para o sangue, a fim de garantir aquele suprimento para as células.

O excedente de glicose dos alimentos é armazenado no fígado. Essa reserva pode ser requisitada a qualquer momento, sempre que a demanda crescer e a quantidade disponível no sangue não for suficiente para atendê-la.

Em condições normais, após uma refeição, os valores referentes à concentração de glicose no sangue (glicemia) podem chegar a 140 mg/dl (miligramas por decilitro). Do mesmo modo, quando em jejum, esses valores são da ordem de 70 a 100 mg/dl.

Valores de glicemia acima do padrão de normalidade caracterizam a condição chamada de hiperglicemia, enquanto valores abaixo indicam a hipoglicemia. Essa última, por sua vez, embora também possa ocorrer em pessoas sem diabetes, é considerada uma complicação aguda do diabetes.

Quais são as suas principais causas?

De modo geral, as causas da hipoglicemia residem em dois tipos de situações: as que aumentam drasticamente o consumo de glicose e as que impedem ou dificultam sua disponibilidade no sangue. Veja mais detalhes abaixo.

Atividade física intensa sem alimento prévio

A atividade física intensa consome grandes quantidades de glicose disponíveis no sangue. Por essa razão, uma pequena refeição antes da prática pode disponibilizar o nutriente que será requerido com maior demanda.

Qualquer pessoa deve evitar atividades físicas intensas se não houver se alimentado antes. O consumo repentino pelas células de grandes quantidades de glicose pega o organismo de surpresa e despreparado para dar o suporte necessário.

Consumo de bebidas alcoólicas sem uma alimentação prévia

Quando não ingerimos algum alimento antes de beber, o álcool encontra o estômago vazio, segue direto para o intestino delgado e logo chega ao fígado. Nesse órgão, entre outros efeitos, atua impedindo a liberação da glicose armazenada para abastecer os níveis do sangue.

Sem novos aportes de glicose, instala-se a hipoglicemia. Essa condição pode se manifestar logo após a ingestão da bebida e até nas 24 horas seguintes.

Medicamentos que provocam a redução da glicose

Para pessoas com diabetes, tanto a insulina quanto alguns medicamentos orais podem induzir à hipoglicemia. Com o consumo concomitante de bebida alcoólica, os efeitos podem ser intensificados, facilitando baixas concentrações de glicose no sangue.

Aplicação de insulina em intervalos menores ou em doses maiores

O efeito da insulina aplicada é a redução da glicose no sangue. Errar na dose ou realizar aplicações em intervalos menores que o recomendado pode iniciar um processo de hipoglicemia.

Da mesma forma, ficar um intervalo grande sem se alimentar e fazer uso da insulina injetável também gera um quadro de intensa redução dos níveis de glicose. Assim, todo cuidado com os horários de alimentação e aplicação da insulina tem grande importância para a pessoa com diabetes.

Quais os sintomas mais comuns?

Os sintomas da hipoglicemia costumam se manifestar quando a concentração de glicose no sangue fica abaixo de 60 mg/dl. Nessa condição hipoglicêmica, pode se instalar uma situação mais leve ou mais grave.

Nesse sentido, os principais sintomas que podem surgir em uma hipoglicemia leve são:

  • sudorese;
  • irritação;
  • tremores
  • tontura;
  • palpitações;
  • fome.

Por sua vez, em uma condição de hipoglicemia grave, podem aparecer os seguintes sintomas:

  • visão turva;
  • fome intensa;
  • cansaço extremo;
  • sono intenso;
  • dor de cabeça;
  • incapacidade de concentração;
  • convulsões.

Como tratar a hipoglicemia?

Se a pessoa estiver consciente e os sintomas da hipoglicemia forem leves, ela mesma consegue tratar essa condição. Para isso, pode ser suficiente a ingestão de 15 a 20 g de glicose de rápida absorção, o que se obtém com uma das seguintes medidas:

  • tomar 1 colher de sopa de açúcar ou mel;
  • tomar 1 copo de suco ou refrigerante comum;
  • ingerir de 3 jujubas.

Após 15 minutos, deve checar novamente o nível de glicemia para saber se foi normalizado. Caso não tenha sido, repetir o processo de ingestão de 15 a 20g de glicose e esperar mais 15 minutos para confirmar a glicemia.

Essas são medidas simples e acessíveis, mas capazes de resolver um quadro de hipoglicemia leve. Por sua vez, na ocorrência de um quadro grave, em que a pessoa fica inconsciente, deve ser logo encaminhada a um hospital, onde deverá receber glicose por via venosa.

Como evitar a hipoglicemia?

Conhecendo as causas da hipoglicemia, é possível conduzir a rotina de modo a evitar sua ocorrência. Assim, considere primordialmente alguns cuidados:

  • tenha uma alimentação saudável;
  • tenha disciplina com os horários de alimentação;
  • seja organizado e cuidadoso com as aplicações de insulina e a utilização da medicação oral;
  • seja organizado e metódico com os horários e a intensidade de atividades físicas;
  • siga as orientações do profissional médico que o acompanha.

Assim, a fim de evitar a hipoglicemia, é preciso ter muita disciplina e organização. Portanto, para manter um padrão de qualidade de vida, seja uma pessoa criteriosa com você e sua saúde.

Qual a importância do acompanhamento médico?

Boa parte das ações de monitoramento da glicemia são realizadas pela própria pessoa. No entanto, o acompanhamento médico é indispensável para, inicialmente, fornecer as orientações e os procedimentos que devem ser adotados nas diversas circunstâncias.

Assim, é fundamental para a pessoa com diabetes ter um bom planejamento com foco na nutrição e nas atividades físicas. Por sua vez, a aplicação de insulina — quando devida — e a utilização de medicação oral deverão ter necessariamente uma indicação médica.

Em complemento, periodicamente, o médico deve ser consultado para a avaliação das medidas adotadas. Destaca-se que o controle da diabetes é personalizado, isto é, deve ser ajustado para cada pessoa em razão das respostas serem individuais.

Desse modo, um médico especializado precisa ser a base da orientação e do acompanhamento. Assim, a pessoa estará em condições de tomar as medidas adequadas à manutenção de sua qualidade de vida.

Neste artigo, você viu como cuidar de uma hipoglicemia. Portanto, já sabe como evitá-la e o que fazer se verificar que as taxas de glicose estão muito baixas. Siga nossas orientações e se mantenha saudável!

Se você gostou deste post, conheça também algumas dicas para reduzir o índice glicêmico das frutas.

Comentários

Você também pode gostar
-