Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Caneta para aplicar insulina: saiba como usá-la de forma adequada

Caneta para aplicar insulina: saiba como usá-la de forma adequada

Caneta para aplicar insulina: saiba como usá-la de forma adequada
6 minutos para ler

O diabetes é uma condição em que os níveis de açúcar no sangue se mantêm elevados por falta ou pouca quantidade de insulina, hormônio que é produzido pelo pâncreas. Sendo assim, o tratamento deve oferecer a reposição do hormônio ausente.

A descoberta da insulina ocorreu em 1921 e revolucionou a medicina. Para tratar o diabetes tipo 1, esse hormônio é indispensável e requer um plano cuidadosamente elaborado, que viabilize o manejo correto da glicemia.

Considerando a prevalência da condição, principalmente em crianças e jovens, a caneta para aplicar insulina oferece praticidade e maior conforto para as pessoas com diabetes. Confira mais sobre esse equipamento!

O que é a caneta para aplicar insulina?

Como dito, o tratamento do diabetes tipo 1 e, por vezes, do tipo 2 necessita da aplicação de insulina. No mercado existem diversos produtos com características específicas, como tempo de ação, quantidade para uso, dentre outros parâmetros.

A administração da insulina pode ser feita por meio de diferentes equipamentos, como a tradicional seringa, a moderna bomba de insulina ou a prática caneta de aplicação. Falando especificamente das canetas, elas podem ser tanto recarregáveis como também descartáveis.

Vale ressaltar que a caneta recarregável deve ser reposta com um refil do mesmo fabricante, garantindo assim o encaixe correto e compatibilidade entre registro e aplicação das dosagens. Por fim, assim como os demais equipamentos, o uso da caneta é individual, a fim de evitar contaminações.

Quais os benefícios do seu uso?

Mas, afinal, por que a caneta de aplicação é mais prática? Para explicar isso, consideramos o manuseio e o transporte, bem como a facilidade no momento de administração da dose. A caneta permite o registro de doses ímpares e pares, bem como de 0,5 unidade de insulina. Assim, há maior precisão quando comparada com a seringa.

Além disso, as agulhas das canetas são mais curtas, variando de 4 a 6 mm de comprimento. Quando consideramos todas essas vantagens, estamos dando um passo em direção à maior adesão ao tratamento e, consequentemente, ao melhor manejo da glicemia.

Como aplicar insulina com a caneta?

Agora que você já sabe o que é a caneta e quais são suas vantagens, vamos relembrar alguns tópicos importantes sobre a aplicação da insulina e ensinar, passo a passo, como é feita utilizando a caneta. Então confira!

Atente-se com a conservação e validade

Diante dos diferentes tipos de insulina disponíveis no mercado, é preciso considerar que cada um deles apresenta tempo de ação diferentes, uma de ação lenta e outra de ação mais rápida, e suas especificidades para data de validade.

É importante ressaltar que há um prazo específico para insulina lacrada e outro para a insulina em uso. Sendo assim, ao abrir uma nova insulina, registre a data em que isso foi feito, garantindo a boa conservação do frasco.

O armazenamento das insulinas lacradas deve ser feito em um local que mantenha a temperatura entre 2 ºC e 8 °C. Considerando a geladeira doméstica, a prateleira de escolha deve ser localizada no meio ou na parte inferior, como a gaveta de verduras. Isso evita o congelamento e a grande variação de temperatura que ocorre na porta. Já o da insulina em uso, pode ser em temperatura ambiente. No entanto, em dias muito quentes, aconselha-se a usar uma bolsa térmica para o transporte.

Uma observação importante sobre a caneta recarregável é que os fabricantes não recomendam seu armazenamento em geladeiras, pois isso poderia prejudicar seu mecanismo e impactar no registro das doses. Neste caso, deve-se retirar o refil e refrigerar apenas este. A caneta recarregável pode ficar em temperatura ambiente.

Prepare a insulina

O preparo da insulina em si é bem simples. Primeiro, há uma recomendação para retirá-la da geladeira entre 15 a 30 minutos antes da aplicação, com o intuito de evitar dor e irritação na pele.

O passo seguinte é homogeneizá-la. Isso significa realizar em torno de 20 movimentos suaves com o frasco para fazer com que os cristais de insulina entrem em suspensão. Cuidado para os movimentos não serem bruscos e resultarem em bolhas. Vale ressaltar que análogos de insulina não necessitam da homogenização.

Escolha o local da aplicação

Antes de tudo, vamos listar os locais recomendados para aplicação:

  • braço: região posterior, contando 3 dedos abaixo da axila e acima do cotovelo;
  • nádegas: no quadrante mais superior e voltado para a lateral;
  • coxas: na região posterior e lateral, contando 4 dedos acima do joelho;
  • abdome: nas regiões laterais, 4 dedos de distância do umbigo.

É importante analisar a consistência do local. Se houver lipodistrofia, edema ou algum sinal de inflamação/infecção, deve ser escolhida outra região. Para evitar essas condições é recomendado o rodízio na aplicação, espaçando cerca de 1 cm do ponto onde foi feita a injeção anterior.

É indicado evitar um mesmo ponto por 14 dias, que é o tempo necessário para recuperação do local. Desse modo, essas medidas têm impacto direto na melhor absorção da insulina e do manejo glicêmico.

Como usar a caneta para aplicação de insulina?

Considerando os tópicos acima, chegou o momento da aplicação em si. Não se esqueça de lavar e secar as mãos.

Reúna os materiais necessários: caneta, agulha, algodão, álcool e insulina. Faça a homogeneização da insulina e passe o algodão embebido de álcool no local da caneta onde será acoplada a agulha. Após isso, coloque a agulha e reserve seu protetor externo.

Nesse ponto, vale ressaltar que nas canetas descartáveis a insulina já estará contida no interior. No entanto, nas recarregáveis é necessário acomodar o refil de insulina no corpo da caneta, sendo ambos da mesma marca.

Com a insulina e a agulha devidamente prontos, selecione 2 unidades apenas para testar se aparece uma gota de insulina na ponta da agulha. Feito isso, adeque para a quantidade de unidades necessárias.

Antes de aplicar na pele, realize assepsia com álcool no local escolhido e faça uma pequena prega para que a agulha atinja apenas o subcutâneo. Lembre-se de não aplicar por cima de roupas!

Por fim, introduza a agulha a 90° e injete a insulina. Ao injetar, mantenha o botão pressionado por cerca de 10 segundos e, em seguida, remova a agulha com o protetor externo e descarte-a no recipiente adequado.

Viu só como a caneta para aplicar insulina é mais prática e garante maior comodidade para quem a utiliza? Em primeiro lugar, é importante dizer que o manejo correto vai muito além de adequar a dosagem de insulina ou seguir hábitos de vida recomendados. A aplicação em si também é um fator essencial, pois qualquer inadequação — seja na conservação, seja no local escolhido, seja no equipamento utilizado — pode ser suficiente para provocar uma hiper ou hipoglicemia.

Ficou com alguma dúvida sobre o uso da caneta? Deixe um comentário e teremos o prazer em esclarecê-la!

Comentários

Você também pode gostar
-