Cadastre-se para receber atualizações por e-mail

x
x
Câncer de próstata: o que você precisa saber sobre? - Blog WinSocial

Câncer de próstata: o que você precisa saber sobre?

câncer-de-próstata
8 minutos para ler

O câncer de próstata é uma doença para a qual os homens devem estar sempre atentos, já que ela se instala de modo quase sempre silencioso no organismo. Por essa razão, entre outras, apresenta uma incidência tão grande em todo o mundo, especialmente a partir dos 50 anos de idade.

Sendo assim, é muito importante que a adoção de uma rotina de exames anuais, principalmente quando houver histórico de casos na família. Por outro lado, é essencial conhecer melhor essa doença para preveni-la. Continue a leitura e descubra o que você precisa saber sobre o câncer de próstata.

O que é o câncer de próstata?

A próstata é uma glândula exclusivamente masculina, situada logo abaixo da bexiga e envolvendo a parte superior do canal que transporta a urina, conhecido por uretra. A função dessa glândula é produzir o líquido seminal responsável por nutrir e transportar os espermatozóides.

Com o passar do tempo, a próstata apresenta um crescimento natural. De modo que o jovem, o adulto e o idoso possuem essa glândula em tamanho cada vez maior. Esse crescimento é chamado de hiperplasia benigna da próstata e constitui um processo normal no organismo do homem.

O câncer, por sua vez, em qualquer tecido do corpo, é um tipo de desenvolvimento anormal e desorganizado. O câncer de próstata também é uma ocorrência que não faz parte do desenvolvimento normal da glândula, uma vez que se trata de um tumor.

Esse tipo de câncer apresenta uma incidência muito elevada na população masculina, correspondendo a um risco estimado da ordem de 66 novos casos a cada 100 mil habitantes. Na verdade, é o segundo em número de ocorrências ficando atrás apenas do câncer de pele. Ocorre algo parecido com o câncer de mama entre as mulheres.

O tumor maligno da próstata costuma apresentar um crescimento lento e, na maioria dos casos, não apresenta sinais claros de sua presença. Por essa razão, existe a necessidade dos exames frequentes por parte da população masculina adulta, a fim de detectar e tratar em tempo hábil.

A partir dos 50 anos de idade, um exame por ano é adequado e não é uma frequência muito grande. Pessoas com diabetes, por exemplo, possuem uma rotina de exames mais intensa e se adaptam a ela.

Conheça os tipos de câncer de próstata

Existem diversos tipos de câncer que podem se desenvolver na próstata. A maioria dos casos é constituída por adenocarcinomas que evoluem a partir das células glandulares, enquanto os demais são ocorrências bem mais raras. Desse modo, veja os principais tipos abaixo:

  • adenocarcinomas de células glandulares;
  • carcinomas de pequenas células;
  • sarcoma;
  • carcinomas de células transicionais;
  • tumores neuroendócrinos.

Quais os principais sintomas e como é o diagnóstico para quem tem câncer de próstata?

Inicialmente a doença é silenciosa, se instalando sem maiores sintomas. Por essa razão é importante a realização de exames periódicos capazes de detectar o câncer no início. Os principais sintomas que podem estar envolvidos com a evolução da doença são mostrados a seguir.

Micção frequente

Uma das primeiras manifestações é a necessidade de urinar frequentemente, sobretudo durante a noite. Esse sintoma acaba resultando em noites mal dormidas, uma vez que a pessoa levanta diversas vezes para ir ao banheiro. A chamada diabetes insipidus também provoca essa micção frequente, por razões diferentes.

Perda do jato ao urinar

A compressão provocada pelo crescimento da próstata sobre a bexiga e a uretra reduz o calibre da uretra enfraquecendo o jato urinário. Como resultado, as quantidades menores em cada micção fazem com que a frequência seja maior, como visto antes.

Ardor ao urinar

O avanço local do câncer de próstata pode levar à ocorrência de ardor durante o ato de urinar. Assim como o surgimento de sangue na urina, também o ardor pode ter diversas outras causas, sendo um sintoma que, da mesma forma, deve ser considerado em conjunto com os demais.

Sangue na urina ou no sêmen

A presença de sangue pode ser observada na urina, que fica mais escura, ou no sêmen onde pode ser visível. No entanto, diversas outras causas não malignas podem provocar o mesmo sintoma, onde um médico não pode avaliar isoladamente.

Dor no quadril e nas costas

O desenvolvimento e a evolução do câncer de próstata para situações de metástase costuma afetar os ossos na maioria dos casos. Dessa forma, dores nas costas e no quadril, assim como nas coxas e mesmo nos ombros podem surgir, dependendo da região para onde a doença migrou.

Quais as opções de tratamento?

Qualquer que seja a ocorrência com a próstata, quanto mais cedo for identificada, isto é, quanto mais precocemente for verificada qualquer anormalidade, mais fácil será o tratamento. A precocidade no diagnóstico permite até reverter o quadro em grande parte dos casos.

Por essa razão, deve-se sempre buscar a prevenção por meio dos exames disponíveis. Não se trata de uma doença crônica, mas de se fazer a necessária prevenção, a ocorrência dos sintomas mostrados deve suscitar uma visita ao médico.

Para esse fim, o paciente deve consultar um urologista que fará as avaliações iniciais e, se necessário, poderá encaminhar para um oncologista. Em primeiro lugar, leve em conta que as possíveis manifestações na próstata permitem tratamento ou a utilização de meios para atenuar seus sintomas e os possíveis efeitos que provocar.

No caso do câncer de próstata, os tratamentos mais comumente que os médicos podem utilizar vamos mostrar a seguir. Lembre-se que apenas um médico pode avaliar a situação de cada paciente e identificar o estágio de desenvolvimento da doença, adequando o tratamento ou uma combinação deles conforme seja mais indicado.

Cirurgia (prostatectomia radical)

A prostatectomia radical ou retirada cirúrgica total da próstata é o método que a ala médica utiliza, pois na maior parte dos casos é possível retirar todo o tumor, o que significa a cura do paciente. Desse modo, o médico especialista retira a próstata, as vesículas seminais, a uretra prostática e, por vezes, linfonodos regionais, quando pertinente.

Essa cirurgia pode ser feita por via aberta, por meio de laparoscopia ou, ainda, por cirurgia robótica. Acima de tudo, a última opção tem sido a mais recomendada sempre que disponível, sobretudo em razão da maior precisão, com menos dor e menos perda de sangue.

Radioterapia

O tratamento por radioterapia consiste na aplicação de radiação localizada em determinadas regiões da próstata. O objetivo é a eliminação direta das células cancerígenas existentes. O procedimento pode ser externo ou interno. No primeiro caso, o equipamento de emissão de raios é direcionado para cada ponto que deverá ser tratado.

A radioterapia interna, conhecida como braquiterapia, consiste na colocação de sementes radioativas no interior da próstata. Estas sementes são introduzidas por via retal, com o paciente sob anestesia. O profissional da saúde realiza o procedimento em um dia e sem a necessidade de internação. A braquiterapia só está indicada para situações menos agressivas e para tumores pequenos.

Hormonioterapia

O tratamento hormonal normalmente só é utilizado em situações mais avançadas da doença, já com envolvimento ósseo ou de outros órgãos. Consiste na utilização de medicamentos que reduzem a produção de testosterona, o hormônio masculino. Em outras palavras, existem diferentes drogas que têm sido empregadas.

A hormonioterapia, no entanto, não é curativa. Além disso, pode levar a efeitos secundários relevantes como perda da libido, crescimento das mamas e aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Como você pode ver, o câncer de próstata é uma doença de início lento e silencioso, fazendo com que seja sempre muito importante os exames preventivos para sua detecção precoce.

Se você gostou deste post, assine nossa newsletter e leve uma vida mais saudável e com mais segurança.

Comentários

Você também pode gostar
-