Depressão e diabetes: qual a relação e como uma afeta a outra?

7 minutos para ler

A diabetes é uma condição de saúde que afeta milhões de pessoas pelo mundo inteiro, e esse número vem crescendo cada vez mais. Quando seu diagnóstico é feito no início e o seu manejo é iniciado precocemente, a maior parte das pessoas pode viver uma vida confortável e sem maiores complicações.

Mesmo assim, não podemos dizer que é fácil lidar com o problema. Afinal, a diabetes mexe com todo o estilo de vida da pessoa, exigindo que ela mude muito dos seus comportamentos.

Por conta disso, precisamos também nos preocupar com a saúde mental de quem tem a condição, pois a diabetes mal controlada pode intensificar os sintomas de algumas outras doenças. Aqui, falaremos sobre a relação entre diabetes e depressão. Acompanhe para saber mais.

Qual a relação entre diabetes e depressão?

Para começar, vamos relembrar rapidamente o que é a diabetes e o que é a depressão, para depois fazermos a relação entre os dois problemas.

A diabetes é uma condição metabólica ou autoimune na qual há um problema com a produção ou a ação da insulina, hormônio produzido pelo pâncreas. A falta ou defeito na insulina faz com que haja um acúmulo de glicose no sangue, já que o hormônio é responsável por promover a entrada do nutriente nas células para que ele seja usado em diversas atividades celulares.

A diabetes tipo 1 é uma condição autoimune, na qual o próprio corpo “ataca” o pâncreas e destrói as células que produzem insulina. Na diabetes tipo 2, o organismo não produz o hormônio da forma correta e o corpo não responde bem ao que é produzido. Esse tipo está relacionado com alimentação e estilo de vida.

Os sintomas de diabetes incluem: aumento da sede, aumento na vontade de urinar, cansaço frequente, ganho de peso, formigamento nas extremidades do corpo, visão turva ou embaçada.

A depressão é um distúrbio mental que afeta o emocional da pessoa, trazendo sentimentos de baixa autoestima, tristeza profunda, perda de interesse e ânimo generalizada, perda de apetite, entre outros sinais. As causas da depressão não são muito bem definidas, mas sabe-se que há uma alteração dos neurotransmissores (substâncias que transmitem impulsos nervosos) no cérebro da pessoa com o problema.

Os sintomas da depressão incluem:

  • humor depressivo, irritável, ansiedade e/ou angústia;
  • perda ou aumento do apetite;
  • desinteresse por atividades que antes traziam prazer;
  • ideias frequentes e desproporcionais de culpa, tristeza, medo, insegurança, inutilidade, fracasso;
  • dificuldade de concentração, raciocínio lento;
  • dificuldade de dormir;
  • diminuição do desempenho sexual; entre outros.

As pesquisas na área descobriram que tanto a depressão afeta a diabetes, como a diabetes afeta a depressão.

Uma das principais descobertas é que pessoas com diabetes que desenvolvem um quadro depressivo têm maior risco de apresentarem hipoglicemia, que é a queda nos níveis de açúcar (relacionado ao uso de insulina ou hipoglicemiante oral), ou hiperglicemia, que é quando os níveis de glicose ficam altos no sangue. Existem duas explicações para esse fenômeno:

  • as pessoas com depressão têm menor interesse no autocuidado, e por isso controlam pior a diabetes;
  • a depressão causa alterações químicas no corpo que causam a flutuação dos níveis de glicose no sangue.

Outro achado em estudos foi o de que a probabilidade de desenvolver depressão é duas vezes maior na população de pessoas com diabetes quando comparada à de pessoas sem a condição. Não há uma explicação completa sobre essa relação, mas especialistas dizem que pode estar relacionada a falta de controle sobre a própria saúde que os pacientes sentem quando não conseguem controlar os níveis de glicose.

Existem ainda alguns medicamentos usados para a depressão que podem piorar a ação da insulina no corpo. Por fim, a falta de controle da glicemia pode levar ao aparecimento de sintomas similares aos da depressão, ou piorar os já existentes. Níveis muito baixos ou muito altos de glicose no sangue causam ansiedade e cansaço excessivo

Quais hábitos de pessoas com diabetes aumentam o risco de depressão? E vice-versa?

Como vimos, o ciclo entre diabetes e depressão pode ser reforçado dos dois lados e, por isso, é preciso estar atento. Existem alguns hábitos de pessoas com diabetes que contribuem para o surgimento e piora da depressão, como:

  • muitas pessoas se isolam do seu ciclo social, em diferentes níveis, por ter dificuldade de se adaptar às mudanças de comportamento (principalmente relacionadas com alimentação e bebidas);
  • a frustração com a condição da diabetes leva algumas pessoas a consumirem mais álcool e a fumarem;
  • como citamos, a falta de controle da glicemia causa sintomas como ansiedade e fadiga intensa, que podem se somar aos sintomas da depressão.

Por outro lado, a depressão também leva a comportamentos que contribuem para o desenvolvimento de diabetes ou piora da condição, como:

  • a pessoa com depressão tem menos energia e vontade de se cuidar, deixando de tomar medicações e ter outros cuidados com a saúde;
  • pessoas com depressão costumam não se exercitar, o que leva ao ganho de peso e aumento nos níveis de glicose.

É importante que as pessoas que apresentam alguma das duas condições tenham consciência sobre a relação entre diabetes e depressão e os riscos associados a esses hábitos.

Quais hábitos podem prevenir os sintomas da depressão?

Agora chegamos à parte boa. Existem alguns hábitos que são importantes para as pessoas com diabetes e que também ajudam na prevenção da depressão. Portanto, são duplamente importantes para quem apresenta alguma das condições.

Esses hábitos são:

  • prática de exercício físico: ajuda a reduzir o peso, diminui a resistência à insulina, melhora o manejo da diabetes, libera endorfinas que combatem a depressão;
  • cuidados com a alimentação: a dieta é uma das partes mais importantes no manejo da diabetes, e uma boa alimentação também ajuda no combate à depressão;
  • grupos para pessoas com diabetes: fazer parte de um grupo traz um senso de comunidade que auxilia as pessoas a se cuidarem melhor e se sentirem apoiadas em sua condição;
  • orientações médicas: a pessoa com diabetes deve sempre informar ao seu médico se apresentar sintomas de depressão ou de qualquer outra condição, para que ela possa ser manejada e tratada desde o início.

Diabetes e depressão são duas condições de saúde muito comum nos dias atuais e que podem estar relacionadas de diversas maneiras. Para evitar entrar nesse ciclo, é importante saber seus sintomas e os hábitos relacionados ao seu surgimento, que trouxemos no texto de hoje.

E aí, gostou deste conteúdo e quer ler mais sobre o assunto? Então não perca tempo e dê uma olhada em nosso texto sobre ter amigos com diabetes!

Comentários

Você também pode gostar
-