Coronavírus e diabetes. Qual a relação?

coronavirus e diabetes
6 minutos para ler

É um dos principais assuntos dos noticiários no momento e tem atormentado todo o mundo com uma possível epidemia global. Mas afinal, qual o real perigo do coronavírus e a sua relação com o diabetes?

ATUALIZAÇÃO Sexta, 13/03/2020, 14h22

O que é o coronavírus?

O nome coronavírus se refere a uma família de vírus que causam infecções respiratórias. A família dos vírus tipo corona já é uma velha conhecida da humanidade, sendo os primeiros casos registrados em 1937. Em 1965, o vírus foi descrito como coronavírus em decorrência do perfil na microscopia que parecia com uma coroa ¹.

A maioria das pessoas se infectam com os coronavírus ao longo da vida, sendo as crianças as mais propensas ao contágio dos tipos mais comuns, como o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1 ².

O novo coronavírus (COVID-19)

O novo agente do coronavírus é o mais novo parente dessa família, sendo descoberto na cidade de Wuhan na China no último dia do ano passado (31/12/2019).

A nova variação vem sendo chamada comumente por novo coronavírus, mas no dia 11 de fevereiro desse ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) adotou a nomenclatura COVID-19 como denominação oficial. As siglas referem-se aos termos “corona”, “vírus”, “doença” (em inglês) e ao ano da descoberta “2019”. Essa medida visa afastar qualquer estigmatização geográfica para a nova doença ³.

Os números

Até o instante da redação desse post pela WinSocial (13/03/2020 às 14:22), 134.300 casos e 5.043 óbitos ⁴ já foram confirmados ao redor do mundo. Ainda que a maioria dos registros estejam concentrados na China continental, outros países do Sudeste asiático, Oceania, Europa, África e América do Norte, já confirmaram a doença em seus territórios.

Fonte: Plataforma IVIS. 28/02/2020

No Brasil, o primeiro caso foi confirmado no estado de São Paulo/SP de um homem de 61 anos que esteve na Itália entre os dias 9 e 21 de fevereiro. Hoje (13/03/2020 às 14:22), temos 151 casos confirmados.

Contágio e principais sintomas

Ainda não existe um confirmação exata de como se iniciou o primeiro contato com o vírus. A hipótese mais aceita é que o contágio se deu através da ingestão de carne de animais silvestres no mercado municipal de Wuhan, na China.

De qualquer modo, como na maioria da infecções, as principais formas de disseminação de uma epidemia são pelo contato direto com superfícies contaminadas ou pela proximidades com pessoas ou animais infectados.

Os principais sintomas do coronavírus são respiratórios semelhantes a um resfriado comum, como febre, tosse e dificuldade de respirar ⁶. No entanto, o novo coronavírus (COVID-19) ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais da doença. 

Não menos importante é o período de incubação. Segundo pesquisas recentes, é possível que o vírus permaneça no organismo em até 14 dias sem manifestar os sinais. Tal fato torna o controle da epidemia altamente preocupante, visto que o agente infeccioso poderia ser transmitido por indivíduos aparentemente sem sintomas.

Coronavírus e diabetes

Dentre os casos de óbitos devidos à infecção, um fato que chama a atenção é que a maioria da vítimas pertencia a algum grupo de risco, ou já possuía algum grau de comprometimento da saúde ⁷. É caso dos idosos acima de 60 anos (80% dos óbitos), pessoas com doenças pré-existentes (75%), ou indivíduos com alguma condição crônica de saúde.

Confira abaixo a evolução diária de casos confirmados x óbitos no mundo:

Além disso, na China, cerca de 20% das pessoas infectadas que deram entrada em hospitais tinham diabetes. Dentre os casos de morte, até 10% são de pacientes com diabetes, segundo a Comissão de Saúde da China (NHC) ⁸.

Convém salientar que até o momento não há nenhuma comprovação científica que correlacione o diabetes e o coronavírus. O que vale ressaltar é que o diabetes (ou qualquer outra condição crônica de saúde) não controlado, pode enfraquecer o sistema imunológico, o que por sua vez aumenta o risco complicações como infecções e viroses.

”Na China, cerca de 20% das pessoas infectadas que deram entrada em hospitais tinham diabetes. Dentre os casos de morte, até 10% são de pacientes com diabetes.”

Segundo dados apurados pela WinSocial, no Brasil, aproximadamente 16 milhões de pessoas têm o diagnóstico de diabetes, sendo 10% do diabetes tipo 1 e 90% do diabetes tipo 2.

Como se prevenir

Há algumas medidas simples que podem te ajudar a se prevenir contra o coronavírus. São elas:

  • Realizar o bom manejo do diabetes;
  • Ter hábitos saudáveis, como uma alimentação balanceada para manter a imunidade alta;
  • Manter-se hidratado;
  • Lavar as mãos com frequência com álcool ou água corrente e sabão;
  • Evitar o contato com pessoas vindas de regiões com casos confirmados do coronavírus;
  • Manter o calendário de vacinação em dia para fortalecer o sistema imunológico;
  • Em áreas com casos confirmados, evitar o consumo de carnes cruas ou mal cozidas para não permitir a contaminação cruzada ⁹;

Sobre a WinSocial

A WinSocial é uma startup de seguros de vida focada em pessoas com diabetes. Através de nossa tecnologia, quem realiza o bom manejo do diabetes pode obter recompensas financeiras como descontos na compra de seguros de vida e invalidez.

Pesquisamos e produzimos conteúdo sobre saúde e finanças para ajudar pessoas com diabetes a cuidarem da saúde física e financeira.

Visite nosso site e conheça nosso trabalho. 😉

Fontes:
¹² Tudo sobre Coronavírus e Novocoronavírus. Ministério da Saúde. 23/01/20

³⁹ Coronavirus and Type 1 Diabetes – What you shoud know. Beyond Type 1 10/02/20.

⁴⁵ Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde (IVIS). Ministério da Saúde. 2020

⁶⁸ O perigo do coronavírus para quem tem diabetes. Caderno Saúde Revista Abril. 13/02/20.

O perfil dos mortos pelo novo coronavírus: mais de 60 anos e com problemas de saúde. Site Isto É. 04/02/20.

Comentários

Você também pode gostar
-