Benefícios do Exercício Físico para quem tem Diabetes

exercicio fisico e diabetes
7 minutos para ler

A prática regular do Exercício Físico pode trazer muitos benefícios na saúde das pessoas em geral, como por exemplo, a diminuição da ansiedade e estresse, melhora do humor, auto-estima e até do quadro de depressão. Também ajuda a combater o sedentarismo, que é causador de doenças muito comuns como as doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes. Mas e pra quem já tem diabetes? Como que o exercício físico pode ajudar de fato?

Seja tipo 1 ou tipo 2, o exercício físico é um dos pilares do tratamento do diabetes. A prática regular tem um impacto positivo no controle glicêmico da pessoa com essa condição, assim como ajuda a prevenir e controlar comorbidades (outras doenças decorrentes do diabetes) como risco cardiovascular, hipertensão, obesidade, dislipidemia, entre outras.

Sabendo disso tudo, listei aqui alguns benefícios que a prática regular de exercícios físicos pode trazer para quem tem diabetes:

Diminuição da Resistência à Insulina (Sensibilização dos Receptores de Insulina)

Uma pessoa com resistência à insulina, na maioria dos casos é obeso ou está um pouco acima do peso, com outras condições de saúde associadas ao sedentarismo. A resistência à insulina nada mais é do que a dificuldade do corpo de absorver o hormônio, causando muitas vezes a sua produção excessiva e/ou hiperglicemia. Na pessoa com diabetes que pratica atividades físicas regularmente, nota-se que a sua resistência à insulina diminui¹, porque ao combater o sedentarismo, o corpo se torna cada vez menos resistente ao hormônio.

O que explica isso é que os indivíduos com o tipo 2 passam a secretar menos insulina até 72h após uma sessão de treinamento. Com a contração muscular, ocorre a translocação de GLUT-4 (proteína que auxilia no transporte de glicose para dentro da célula). Quanto maior for a intensidade do exercício, maiores serão os benefícios, como mostram os estudos².

 

Melhora na ação da insulina injetável 

Para os pacientes que precisam injetar insulina, é preciso atenção ao realizar atividades físicas, porque a prática faz com que a ação da insulina exógena seja melhor durante e algumas horas após o exercício, principalmente em crianças³. Por isso, deve-se ter muito cuidado com as hipoglicemias também no pós-exercício, principalmente para usuários de insulina.

 

Favorece melhor controle do Diabetes (Tipo 1 e Tipo 2)

Um estudo⁴ feito pelo Depto Atividade Física ADIABC em 2007, mostrou que independente de ter diabetes ou não, caminhar por 40 minutos ajuda a diminuir os níveis glicêmicos no sangue. Se em uma pessoa que não tem diabetes já ajuda, imagina em quem tem?

 

Estudo do Depto Atividade Física ADIABC 

 

Este mesmo estudo mostrou a média de diferença glicêmica dos voluntários entre DM1 e DM2, pela medição da glicemia capilar antes do exercício e após. Nos indivíduos DM2 sem uso de insulina, a média de inicio foi de 127mg/dl e final de 88mg/dl, enquanto nos indivíduos DM1 com uso de insulina, a média inicial foi de 171mg/dl e final de 82mg/dl.

Isso acontece por conta da diminuição da resistência à insulina. Consequentemente, o ajuste das doses de insulina e/ou medicamento oral fica mais fino e preciso, contribuindo para que o paciente consiga alcançar um melhor controle do diabetes.

 

Diminui o risco de complicações crônicas do Diabetes Tipo 1

As complicações crônicas do diabetes como retinopatia, neuropatia, doenças cardiovasculares etc, estão diretamente ligadas ao controle inadequado da doença. Uma vez que a pessoa consegue um melhor controle por conta da prática regular de atividades físicas, é possível retardar ou até prevenir as complicações crônicas do diabetes.⁵

 

Contribui para a diminuição das doses de insulina (Diabetes Tipo 1)

Por conta da diminuição da resistência à insulina e a consequente melhora da ação do hormônio, os pacientes com DM1 e em alguns casos, pacientes com DM2, costumam diminuir as suas doses de insulina ao longo do tratamento quando combinado com exercícios físicos⁵. Vale lembrar que os indivíduos com DM1, não conseguem deixar de tomar o hormônio de forma exógena por conta da não produção do mesmo⁶. A dose pode ser diminuída, mas nunca zerada!

 

Auxilia no controle da Hipertensão Arterial

A Hipertensão Arterial, também chamada de pressão alta, é uma doença crônica na qual a pressão arterial se mantém elevada. É uma doença muito comum na população brasileira e mundial, sendo uma das principais causas de doenças cardiovascularese mortes em decorrências das mesmas.

A Sociedade Brasileira de Hipertensão relata: ”A realização regular de atividades físicas reduz a pressão arterial tanto em indivíduos que já tem a pressão alta, quanto naqueles que ainda não tem a doença, mas que têm um risco elevado de desenvolvê-la, como os filhos de hipertensos, os obesos e os pré-hipertensos. É interessante observar que com a prática física regular, a pressão arterial diminui não só em repouso, mas também quando a pessoa está realizando suas atividades diárias e quando sofre uma situação estressante.”⁷ 

 

Diminui o Risco Cardiovascular

”Os danos causados às veias nas variações glicêmicas do dia a dia aumentam as chances do indivíduo com diabetes desenvolver doenças cardiovasculares, assim como hipertensão, derrame e outras’‘. É o que diz o site inglês Diabetes.uk⁸. Por este motivo, o paciente com diabetes e com um mau controle da doença é considerado um indivíduo com risco alto em exercícios físicos.

Powered by Rock Convert

O auxílio no controle do diabetes por conta da prática regular de exercícios físicos, ajuda diretamente na diminuição dos danos causados às veias do coração, diminuindo assim o risco cardiovascular no diabético.

 

Resumindo, exercício físico é vida!

Não existem dúvidas de que a prática regular de exercícios físicos é uma das chaves principais para a melhora no controle do tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2. É muito importante enfatizar que pessoas com diabetes devem realizar treinamento supervisionado com profissional de educação física e monitorar a glicemia para prevenir eventuais hipoglicemias.

Para ter mais segurança, é importante iniciar a atividade com glicemia entre 120mg/dl a 250mg/dl. Por isso, consulte sempre seu endocrinologista antes de iniciar qualquer rotina de exercícios.

 

Gostou do texto? Em breve escreverei mais sobre esses assuntos. Comenta aqui embaixo o que achou!

Abraços!

Beatriz Scher | Fundadora do Biabética

Conteúdo revisado por:

Emerson Bisan | Prof. Ed. Física, Educador em Diabetes e Diretor da Nova Equipe Assessoria Esportiva

 

 

Fontes:

¹Mecanismos da ação da insulina – UFGRS

² Stephen R. (Mauritas, 2012) e Little J. (J Appl Physiol, 2011)

³ Atividade Física na criança com Diabetes Tipo 1

⁴ Depto Atividade Física ADIABC

SBD Capítulo 8 – Atvidade Física no Diabetes Tipo 1 e 2: Bases fisiopatológicas, importância e orientação

⁶ https://www.diabetes.org.br/profissionais/diabetes-tipo-1/76-uso-da-insulina-no-tratamento-do-diabetes-mellitus-tipo-1

⁷ Sociedade Brasileira de Hipertensão

⁸ Diabetes.uk

 

 

 

Comentários

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-